Notícias

CGEE encerra rodada de reuniões do projeto Prospecção Tecnológica no Setor de Energia Elétrica

O projeto debateu a construção do futuro da energia elétrica no país em reuniões sobre diversas macrotemáticas relacionadas ao setor.

Presidente do CGEE é agraciado com medalha do Exército

O presidente recebeu a Ordem do Mérito Militar, a mais importante condecoração do Exército.

Diretor executivo do CGEE participa de conferência em Moscou

O evento debateu temas como políticas de CT&I e foresight, com a participação de especialistas de diversos países.

CGEE e Embrapa assinam aditivo do acordo de cooperação técnica

Por meio da parceria, as instituições poderão desenvolver uma série de ações para a produção agrícola e agroindustrial nacional.

CGEE e Ministério da Defesa assinam acordo de cooperação técnica

A parceria prevê a utilização, por parte das Forças Armadas, das ferramentas de inteligência tecnológica desenvolvidas pelo CGEE, no âmbito do Contrato de Gestão com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

CGEE inicia novo ciclo de reuniões do projeto Prospecção Tecnológica no Setor de Energia Elétrica

Rodada de debates reunirá cerca de 350 especialistas do setor elétrico que abordarão temas como energia eólica, transmissão em corrente contínua e geração distribuída.

CGEE apresenta ferramentas de inteligência tecnológica à Seped/MCTIC

Durante a reunião, técnicos das duas instituições debateram possíveis iniciativas do ministério onde o pacote de ferramentas poderia ser aplicado.

CGEE e Embrapii debatem possibilidades de parceria institucional

Durante o encontro, o Centro apresentou exemplos de serviços de inteligência estratégica prestados a instituições do Sistema Nacional de CT&I.

Desertificação é tema debatido pelo CGEE em livro sobre governança ambiental no Brasil

Assessores técnicos do CGEE tratam de institucionalidade e governança para o combate à desertificação no Brasil.

CGEE participa de publicação do Ipea sobre implementação das Convenções da Rio 92

O livro trata da execução, no Brasil, das Convenções-Quadro das Nações Unidas sobre biodiversidade, mudança climática e desertificação, originadas na Rio 92.

Conteúdos mais visualizados Conteúdos mais visualizados

Voltar

Marco Regulatório de Ciência e Tecnologia é aprovado no Senado

SEMINÁRIO

A Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) e a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal aprovaram, nesta semana, o Projeto de Lei Complementar (PLC) 77/2015 em sessão conjunta. A proposta segue agora em regime de urgência para votação no Plenário e propõe ações de incentivo ao desenvolvimento científico e tecnológico no Brasil, assim como à pesquisa e inovação.

O presidente da CCT e relator do projeto na CAE, Cristovam Buarque (PDT/DF), participou de um debate no Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) para uma rodada de perguntas e respostas sobre a sua proposta para a construção de um Sistema Nacional de Conhecimento e Inovação. Desde 2012, o texto vem sendo debatido.

O encontro contou com a participação de colaboradores do CGEE e convidados. Na ocasião, o senador trouxe uma questão pertinente para a CT&I no Brasil: com a implementação do marco regulatório, o que é preciso mudar no País para alavancar a economia com uma indústria que se baseie no conhecimento? De acordo com ele, o desenvolvimento deve contar com uma economia baseada em alta tecnologia, conhecimento e ausência de violência.

O senador falou, ainda, sobre a Lei de Inovação (Lei nº 10.973/2004), que trata da capacitação e alcance da autonomia tecnológica e desenvolvimento industrial do País. "Temos que levar os jovens para dentro de empresas e entidades ligadas à inovação. A universidade deve ser ligada com a realidade na teoria e na prática", afirmou.

Ao ser questionado pelo assessor do Centro, Antonio Geraldo, sobre o que pode ser feito para melhorar a articulação entre ministérios, secretarias e instituições de C&T, Buarque disse que precisamos de estratégias para que o Brasil dê esse salto. Sugeriu ainda que o Centro, como instituição da área, pense em táticas para melhorar o contato entre esses órgãos.