Notícias

5CNCTI é debatida na Câmara dos Deputados

Discussão antecede a etapa nacional da conferência.

Diretor do CGEE publica relatório para a Comissão Europeia

Trabalhando em seu tema de expertise, Caetano Penna destaca o processo de aprendizado com os representantes dos países participantes.

A oportunidade ímpar do Brasil para definir a Ciência como uma política de Estado

É preciso criar políticas públicas integradas para aplicar a ciência e cumprir seu papel de motor de transformações sociais.

CGEE lança nova edição do estudo Brasil: Mestres e Doutores 2024

A iniciativa traz o mais completo e sistemático conjunto de informações estatísticas sobre a formação e o emprego de mestres e doutores no Brasil.

A sociedade brasileira considera as mudanças climáticas como um perigo grave, aponta pesquisa do CGEE

A pesquisa "Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil 2023" indica que cerca de nove em cada dez brasileiros têm consciência sobre o fenômeno.

CGEE lança pesquisa sobre percepção pública da ciência brasileira, com destaque para temas contemporâneos

Publicado em 15/05/2024 11:44 Aviso de Pauta CGEE lança pesquisa sobre percepção pública da ciência brasileira, com destaque para temas contemporâneos O Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) lança, as 15h de hoje, em sua sede, em Brasília (DF), a sexta edição da "Pesquisa...

CGEE se prepara para o lançamento da sexta edição da pesquisa Percepção pública de C&T no Brasil

O documento será lançado no dia 15 de maio e contará com temas inéditos, como inteligência artificial e desinformação.

Finep promove seminário sobre startups e deeptechs

O encontro ocorreu na sede da Financiadora, no Rio, em formato híbrido, e teve como organizador Fernando Peregrino, chefe de Gabinete da Presidência da Finep.

Conteúdos mais visualizados Conteúdos mais visualizados

Voltar

Número de programas de mestrado e doutorado triplicou no País, aponta estudo do CGEE

Publicação

Número de programas de mestrado e doutorado triplicou no País, aponta estudo do CGEE

O número de programas de mestrado e doutorado no Brasil apresentou, de 1996 a 2014, um crescimento de 205% e 210%, respectivamente. A expansão de títulos concedidos dentro dessas categorias foi ainda superior, de 379% e 486%. Os dados integram um estudo inédito do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) que será lançado no dia 5, em Porto Seguro (BA), durante a 68ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

A publicação “Mestres e Doutores 2015: estudos da demografia da base técnico-científica brasileira” revela que, apesar do crescimento do número de títulos de doutorado concedidos no Brasil, o seu valor ainda é baixo quando comparado a  outros países. Em 2013, por exemplo, a média brasileira foi de 7,6 doutores formados para cada grupo de 100 mil habitantes. Entre as nações da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), apenas México (4,2) e Chile (3,4) apresentaram desempenho inferior ao Brasil.

“O crescimento dessa mão de obra qualificada tem sido contínuo e consistente ao longo de quase duas décadas, o que reflete uma política de Estado bem sucedida. No entanto, ainda temos um caminho longo para trilhar. O estudo demonstra que há uma grande distância em relação aos países desenvolvidos, o que nos incentiva a manter e expandir os investimentos”, avalia a coordenadora do estudo, Sofia Daher. 

A publicação também aponta que houve uma desconcentração geográfica da pós-graduação. Em 1996, a maior parte dos mestres e doutores se formou na região Sudeste. Apenas São Paulo e Rio de Janeiro foram responsáveis por 58,8% dos títulos de mestrado e 83,4% dos de doutorado daquele ano, respectivamente. Em 2014, esses Estados responderam, em conjunto, por 36,6% dos mestres e 49,5% dos doutores formados no País. 

“Isso decorre da criação de novas universidades e campi que alcançam áreas que antes eram menos atendidas pelo sistema de pós-graduação”, afirma Daher. O número de títulos de mestrado concedidos na região Norte, por exemplo, passou de 135, em 1996, para 1884, em 2014, registrando um aumento de mais de 1200%. No doutorado, os títulos foram de 21 para 301.  

A publicação traz pela primeira vez a dinâmica do emprego formal de mestres e doutores analisada em seis anos sucessivos. “Os dados apontam que, mesmo com o crescimento expressivo dos egressos da pós-graduação, eles foram absorvidos pelo mercado de trabalho formal. Vale destacar que parte dos mestres logo se engaja no doutorado, antes de partir para o emprego”, afirma a coordenadora do estudo, Sofia Daher. 

O estudo demonstra que a taxa de emprego formal dos mestres e doutores manteve-se estável de 2009 a 2014, em cerca de 66% e 75%, respectivamente. Já o grau de formalidade do emprego da população em geral é em torno de 53%, de acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A iniciativa revela, ainda, que houve um aumento da inserção de mestres e doutores em entidades empresariais de segmentos de alta tecnologia, passando de 18%, em 2010, para 24%, em 2014. “Isso reflete uma maturidade dessas empresas no reconhecimento da importância de ter em seus quadros mão de obra altamente qualificada capaz de contribuir para atividades inovativas em setores como fabricação de produtos farmoquímicos e farmacêuticos; de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos; e aeronáutica”, ressalta.

A publicação integra um esforço do CGEE para avaliar a formação de recursos humanos em ciência, tecnologia e inovação no País e subsidiar a formulação de políticas públicas na área. Trata-se de uma atividade contínua do Centro, já em sua quarta edição (“Doutores 2010”, “Mestres 2012” e “Doutores brasileiros titulados no exterior”).

A iniciativa tem como objetivo gerar informações sobre a formação e o emprego de mestres e doutores no Brasil. O estudo apresenta um amplo conjunto de estatísticas relacionados à formação desses recursos humanos especializados a partir do cruzamento das bases de dados da RAIS/MTE, Coleta Capes e Plataforma Sucupira/Capes.

O estudo será lançado durante uma sessão especial da 68ª Reunião Anual da SBPC. Os dados serão apresentados pelo diretor do CGEE, Antonio Carlos Filgueira Galvão, em um painel coordenado pela presidente da SBPC, Helena Nader. Os resultados serão repercutidos pelo presidente do Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap), Sergio Gargione; pelo representante da Diretoria de Programas e Bolsas no País da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), professor Adalberto Grassi; e pelo presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich.

Para ver o estudo na íntegra acesse o link: https://www.cgee.org.br/web/rhcti/mestres-e-doutores-2015